PARADA - Lar, Doce Lar - Meu Berço e meu Refúgio

PARADA - Lar, Doce Lar - Meu Berço e meu Refúgio
A mesma Parada vista por dois olhares

30 de junho de 2013

PARADA EM FESTA

Meus caros conterrâneos, leitores e amigos.

No passado dia 16 de Junho, sua Reverência D. José Cordeiro, bispo de Bragança e Miranda, honrou-nos com a sua visita.

Encontrava-me em Parada, como tal, não podia deixar de registar tão relevante acontecimento.

Foi para mim gratificante, apreciar todo o clima criado para o efeito. O Povo engalanou-se. A população de Parada, foi como é seu hábito, trabalhadora, sim porque foram extraordinários no trabalho executado, generosos na arte de bem receber, acolhedores e sobretudo solidários. Sinceramente, reconheço que esta cerimónia transcendeu em muito as minhas expectativas, os meus parabéns a todos quantos prestaram o seu contributo. Bem hajam.

Sua Reverência, chegou a Parada às 10h30, o povo aguardava-o na capela de S. Roque. O José Emílio Pereira, dirigiu algumas palavras de circunstância, redigidas sobre o joelho um rascunho muito bem estruturado desejando as boas vindas. Porque o achei oportuno passo a transcrever este magnífico texto.

“Sua Reverência D. José Cordeiro, Senhor Padre Fontoura, Senhor Padre Rocha, Senhor Padre Tadeu, Senhores Diáconos, Senhores membros da Junta de Freguesia de Parada, minhas Senhoras e meus Senhores.

Em nome desta aldeia transmontana de Parada de Infanções, apraz-me neste momento tão solene, apresentar a vossa Reverência D. José Cordeiro, nosso querido Bispo e Pastor de Bragança e Miranda, os nossos respeitosos cumprimentos e agradecer a sua visita Pastoral, pois é sempre Bem-vindo. A sua visita creio que resulta um pouco tardia, porque esta aldeia de Parada, sendo a maior do concelho de Bragança, deveria de já ter tido essa honra.

Mas, diz o Santo Evangelho, pela boca do Senhor Jesus, que os últimos serão os primeiros. O meu/nosso muito obrigado.”

Dito isto, passo a descrever o acontecimento, colocando alguma ordem e ao mesmo tempo ilustrando com algumas imagens das muitas que recolhi, enriquecendo o texto que me proponho apresentar. O ambiente na aldeia é de festa, as ruas estão enfeitadas com pétalas de rosas e as mais variadas plantas. A Igreja encontra-se magnífica. Os seus altares carregados de flores, proporcionam um ambiente fantástico ao celebrar a Santa Eucaristia.

Sua Reverência, foi acompanhado por a população até à Igreja. No percurso, visitou o cemitério e o Centro de Dia, onde estão a decorrer grandes obras, já praticamente concluídas.

Chegada ao Adro da Igreja, mais população concentrada para receber tão ilustre personagem. Após a Missa, procedeu-se à Procissão pelas ruas da aldeia. Existiam peças ornamentais nas janelas, arcos bem ornamentados sobre as ruas e simultaneamente eram lançadas pétalas sobre as pessoas. Finda a procissão, seguiu-se uma visita de Sua Reverência aos monumentos da aldeia, nomeadamente, capelas da Srª da Santa Cruz, Srª do Carmo, Srª das Candeias, Santo Amaro. Visitou ainda com alguma mágoa a Fonte Vila.

Quero referir ainda, que o povo se concentrou num almoço convívio no Pavilhão Gimnodesportivo e o mordomo recebeu na sua casa no Bairro do Açougue a população em geral para os tradicionais tremoços e demais iguarias, bem acompanhado das respectivas bebidas., Em todas estas iniciativas já consagradas no programa Sua Reverência participou, confraternizando com o seu povo. São na minha modesta opinião, exemplos destes que enriquecem a Igreja Cristã.

Vou terminar este meu trabalho, pedindo desculpa aos meus amigos por não ter participado em alguns momentos tão especiais deste acontecimento, mas a vida é assim, tinha visitas em casa e precisava de as acompanhar.

Para finalizar, os sinceros agradecimentos a todos quantos colaboraram nesta festa que a todos nos deve encher de orgulho. Não vou referenciar nomes, foram muitos, a todos eu abraço com o meu muito obrigado.

     

  

 

 

 

 

 

Manuel Afonso (Manuel Silvino)